Páginas

sábado, 3 de setembro de 2011

Macaco não mata macaco

Esta frase era ouvida; e passava despercebida por quem assistia e viajava com a situação que "Planeta dos Macacos" abordava. Um absurdo futurístico era o bastante para fazer da franquia um sucesso. Entretanto, não quero fazer um post para fazer uma análise de "Planeta dos Macacos", primeiramente por não ser digno de criticar ou relatar sobre algo tão digno e magistral, e também por querer me focar na frase.
Zira_02 "Macacos não matam macacos". Tão simples e, ao mesmo tempo, tão instigante! Vocês, caros leitores podem estar se perguntar por que causa me frisei na falácia dos amáveis chimpanzéis... Então, explicarei!
Quantas guerras civis já aconteceram em nosso mundo? Ao menos, conte a partir dos anos 90 até hoje. Quantas pessoas já morreram e ainda morrem em prol de governos ou ideologias? Realmente, não é difícil responder estas questões, pois somente nos últimos cinco anos, aconteceram centenas de conflitos civis, de massacres. Daí, relembro da falácia dos macacos. "Macaco não mata macaco".
Sei que é meio louco e irracional, mas nessas horas - quando vejo uma civilização tão decadente, que não respeita os valores mais sublimes, dita tudo ao redor com imensa petulância e desconhece o amor - que tenho total inveja dos macacos! Vi a saga dos anos 70 e o que mais me invejava era a união dos primatas. Eles eram autocráticos, bárbaros, nervosos, anti-sociais e tudo o mais, mas nunca matariam outro macaco, por quaisquer motivos. Eles não trocariam a vida de um semelhante por ascensão social, poder ou riqueza!
soldiers Já houve guerras geradas por disparidades intelectuais, por disputas territoriais, até mesmo por puro interesse econômico. Atualmente, um barril de petróleo, uma vantagem econômica ou um domínio governamental já são motivos para matar, e matar muita gente. E com todas essas mortes, a única reação da sociedade continua sendo a total cegueira ou a reação apática e hipócrita de "apoiar" revoluções por comentários em redes sociais.
Percebo que tudo começa pelas relações sociais atuais, que mais parecem teatros constantes, sem qualquer envolvimento real ou amor propriamente dito. Relações que funcionam à medida que os gostos, as preferências, as opções sexuais, as religiões, a preferência política e quaisquer outras características sejam semelhantes. É uma diferença que aparece; e já se acabam as amizades. O homem tem a incrível mania de trocar o mundo em que vive pelo SEU MUNDINHO, que consiste em uma realidade própria, onde as coisas em seu redor devem se curvar diante de seus desejos.
Dono do mundo O pior é que isso vai acontecendo com outros e outros e uma pandemia social é criada, mantida e evoluída, pandemia essa que deturpa os valores, que faz a ética desabar diante da arrogância e do egocentrismo. Daí, governos, autoridades, nações e populações vão se infectando e destruindo as bases da paz, gerando conflitos.
Chega! Que tenhamos disparidades, diferenças, ideologias contrárias, religiões diversas... Mas que sigamos a lei de que "Homem não mata homem". É utópico o que falo, mas o objetivo de uma sociedade deve ser a paz. A real paz não se encontra por meio de guerras ou "providências". Paz se define pela regra de que "homem não mata homem". É tão simples... Percebam que UNIÃO é o que a gente precisa!

3 comentários:

  1. Gostei do post. =)
    E concordo plenamente...

    ResponderExcluir
  2. Cecília, obrigado por comentar. Que bom que gostaste... Sempre que puder e quiser, pode voltar e ver posts vindouros!

    ResponderExcluir
  3. d+ http://megafilmeshd.net/a-batalha-do-planeta-dos-macacos/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Battle_for_the_Planet_of_the_Apes

    ResponderExcluir